quarta-feira, 30 de setembro de 2009

A Dislexia e os Distúrbios do Desenvolvimento da Linguagem

A Dislexia e os Distúrbios do Desenvolvimento da LinguagemUma percentagem expressiva de crianças em idade escolar apresenta dific uldades no processo de alfabetização, decorrentes de uma disfunção cerebral de origem genética (no caso da dislexia pura) ou por distúrbios durante o período embrionário e/ou eventos perinatais que acarretam lesões focais e/ou difusas do córtex e comprometem (no caso dos distúrbios do desenvolvimento da linguagem) o processo de aquisição da linguagem oral e escrita.A leitura pode realizar-se através de dois circuitos neurais distintos. Na leitura semântica a palavra como um todo é identificada na área de reconhecimento de palavras e a partir daí associada ao seu significado. Por exemplo, no caso de nomes, com a associação da palavra ao rosto, voz, etc. da pessoa correspondente. No caso da leitura fonológica, as sílabas que compõem a palavras são identificadas individualmente na área de reconhecimento de sílabas que deve activar a área de Broca para produzir a palavra. Só depois do reconhecimento da palavra falada é que o seu significado é estabelecido. A disfunção da via fonológica é um facto muito frequente nas crianças disléxicas.O comprometimento do sistema de leitura fonológica é a causa mais comum dos distúrbios de aprendizagem da leitura e escrita. Por serem incapazes de reconhecer e/ou produzir, adequadamente, os fonemas da sua língua materna, essas crianças encontram grandes dificuldades na associação dos grafemas (sílabas) aos fonemas (sons) que constituem uma palavra. Por esse motivo, os processos de alfabetização silábica impõem a essas crianças uma dificuldade adicional na aprendizagem da leitura e escrita. As neurociências têm mostrado que os processos de leitura e escrita semântica têm mais sucesso na alfabetização da criança disléxica ou com distúrbios do desenvolvimento da linguagem.A dificuldade na aprendizagem da leitura e escrita pode ter origem, também, em distúrbios do sistema visual ou da espacialidade que dificultam a identificação das letras e palavras; ou em distúrbios da motricidade e noção espacial que comprometem a escrita.A alfabetização da criança disléxica ou com distúrbios do desenvolvimento da linguagem, deve ter em consideração que o progresso dessa criança poderá ser lento, de modo que uma mínima competência na leitura e escrita pode ser estabelecida em tempos muito diferentes daqueles que são necessários para o domínio do conhecimento noutras áreas, como por exemplo, na matemática e ciências. A escola tem que desenvolver para estas crianças programas de trabalho que não privilegiem a leitura e escrita como meio de transmissão e aquisição de conhecimento. A criança disléxica ou com DDL deve poder adquirir esse conhecimento com o emprego da linguagem oral, que eventualmente domine, e com o auxílio de recursos visuais que aumentem seu sucesso no aprendizagem.A escola deve também adequar o seu programa de avaliação do desenvolvimento da criança disléxica ou com DDL à sua dificuldade na leitura e escrita. A avaliação do progresso cognitivo dessas crianças deve ser predominantemente oral e utilizar-se de outros meios que permitam a criança expressar adequadamente seu conhecimento.Como a criança hiperactiva, impulsiva e/ou desatenta também pode apresentar dificuldades na utilização da linguagem escrita como ferramenta de aquisição e expressão de conhecimento, a escola deve generalizar o processo de transmissão e avaliação de conhecimento acima discutido, para toda e qualquer criança que por motivos de controlo de atenção não consiga utilizar a leitura e a escrita como meio de aquisição ou expressão de conhecimento.O que se expõe a seguir é um conjunto de sugestões para que a escola possa definir suas metas de trabalho e elaborar o seu estatuto de normas e regras de conduta social e procedimentos pedagógicos que contemple um ambiente propício à aprendizagem destes alunos.Uma meta deve ser definida pela escola para organizar e estabilizar o comportamento dos seus integrantes nas seguintes áreas:1) Relacionamento Social: que trata das relações entre professores, alunos, funcionários e família.2) Preservação Física: que cuida tanto da preservação das dependências da escola e do material escolar colectivo e privado, como da higiene colectiva e privada.3) Dinâmica da sala de aula: que deve proporcionar um ambiente harmónico para a aprendizagem.4) Dinâmica extra-sala: envolve actividades de recreativas, extra-curriculares, passeios, etc.A tradição do uso da linguagem escrita como meio de transmissão, aquisição e expressão do conhecimento impõe às crianças portadoras de distúrbios de aprendizagem uma dificuldade extra no seu processo de aprendizagem.

Por esse motivo, os professores deverão assim reconhecer como direitos desses alunos:A adequação da complexidade dos textos utilizados: esses textos devem ter a complexidade adequada à capacidade de leitura, escrita e atenção do aluno, tanto no que se refere ao trabalho em língua materna, como na matemática, ciências e outras disciplinas.O apoio para os textos utilizados: o professor deve trabalhar isoladamente com cada criança para que ela consiga compreender o texto da tarefa proposta. Se a capacidade de leitura e escrita da criança não é compatível com o texto (como nos casos de grande desfasamento na alfabetização em relação às outras disciplinas), o docente deve apresentar o texto oralmente e fornecer à criança toda e qualquer explicação necessária para que ela possa realizar a tarefa proposta com êxito.A avaliação oral de seu conhecimento: a dificuldade no manuseio da leitura e escrita deve ser eliminada do processo de avaliação do progresso cognitivo da criança. Uma vez identificados os distúrbios de atenção ou de alfabetização da criança, o seu desenvolvimento nas outras disciplinas deve ser avaliado de maneira independente, utilizando-se para isso a linguagem oral e ferramentas visuais, que permitam a criança expressar sem dificuldades seu conhecimento sobre os temas abordados.A utilização de processos alternativos de comunicação: sempre que a capacidade de comunicação oral também estiver comprometida (como no caso dos deficientes auditivos ou dos portadores de DDL) a escola deve estar preparada para utilizar métodos alternativos eficientes para comunicação com a criança.A utilização de material bem ilustrado visualmente: o homem é um ser que além de falar, utiliza o sistema visual como principal fonte sensorial de informação. É preciso que as actividades, e principalmente os textos, a serem utilizados com todas as crianças, e principalmente aquelas portadoras de distúrbios de aprendizagem, sejam muito bem ilustrados, para que sejam de fácil compreensão.A expansão do seu conhecimento sobre o mundo: a ampliação do conhecimento sobre o mundo é uma necessidade da criança com distúrbios da aprendizagem, pois isso permite-lhe utilizar a sua capacidade de estabelecer relações, para criar alternativas para contornar as suas dificuldades de aprendizagem.A utilização de ferramentas que reduzam as suas dificuldades: por exemplo, a criança com discalculia deve utilizar a calculadora para solução dos problemas ou desafios aritméticos, pois isso reduz a dificuldade da tarefa. O que importa é que a criança aprenda qual o cálculo a ser utilizado e não perca tempo, e com isso fique desfasada dos restantes elementos da sua turma. O treino do cálculo aritmético pode e deve continuar em horários especiais para isso. Não deve haver objecções para o uso da calculadora, quer por parte da escola, quer por parte dos pais, pois todos se devem lembrar que, hoje, o computador é que se encarrega dos cálculos em qualquer lugar.A criança portadora de distúrbios de aprendizagem não deve ser discriminada na escola pelas suas dificuldades, quer sejam elas cognitivas ou comportamentais. Por isso, a escola deve:Trabalhar a diversidade como factor evolutivo positivo: professores, funcionários, alunos e familiares devem compreender que a diversidade humana é um factor positivo para evolução do homem, e que portanto deve ser respeitada.Executar o trabalho diferenciado com essas crianças como direito e não privilégio: as crianças quando adequadamente orientadas, não questionarão o trabalho diferenciado com as crianças portadoras de deficiências. Compreenderão que não se tratam de privilégios mas sim de necessidades específicas dessas crianças.A escola deve discutir adequadamente os direitos da criança com problemas de aprendizagem, para criar um ambiente e um programa que por favorecer sua aprendizagem, aumente a sua auto estima e a sua inclusão social.

Emílio Jorge Martinho

6 comentários:

  1. Para ilustrar o tema da dislexia, sugiro que assitam o filme " Como as estrelas na Terra, todas as crianças são especiais ".
    Bjos pessoal!!

    ResponderExcluir
  2. Ótimo blog.......
    Essa dica de fime ....tbm é excelente
    Paula

    ResponderExcluir
  3. Carla, sua iniciativa foi muito especial, assim como a especialidade que você escolheu... parabéns!!!
    Luiza Helena Herrera Rodrigues.

    ResponderExcluir
  4. Sou enfermeira pos graduada e mãe de um lindo menino de 9 anos que é dislexo. Na verdade nossa luta é diária e quase sempre dolorosa para meu filho que reconhece sua "parcial incapacidade" e para mim mãe. Bem, hoje ele cursa o 3º ano e com boas notas e certamente irá passar de série e hoje mais que ontém sou feliz por Deus ter me escolhido para ser mãe dele pois meus dias são ensinamentos de quanto necessários podemos ser ao nosso próprio e quanto podemos aprender com nossas dores, dificuldades se colocarmos o amor acima de qq orgulho ou medos. Cada conquista comemoramos calorosamente e acima de tudo participo efetivamente do aprendizado dele.

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Meu nome é Cris e quero compartilhar uma notícia muito importante para as pessoas envolvidas com a questão do autismo! http://bit.ly/bMkYx9

    Vale a pena ler e divulgar!

    Um grande abraço!

    Cris Santos

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Meu nome é Patricia ...
    Sou professora de educação Especial , dou aula pra uma turma de autistas....
    Gostaria de poder lhe escutar Maria Cristina...

    ResponderExcluir